Tecnologia, internet e inovação é com a gente mesmo. E como gostamos muito de trazer assuntos desse tipo para você, dessa vez vamos falar sobre a Web 3.0.

Já ouviu falar sobre isso alguma vez? Talvez alguém pode ter mencionado como Internet 3.0.

Vamos lá!

A gente pode dizer que a Web 3.0 representa a próxima fase da evolução da web/internet. Com isso, ela pode ser muito inovadora ao ser uma mudança de paradigma tão grande quanto a versão atual (Web 2.0). A versão 3.0 é construída sobre os conceitos centrais de descentralização, abertura e maior atuação do usuário.

Tá, mas ainda tá complicado isso, né?! Parece que falamos grego (entendemos!)

Vamos entender os outros conceitos!

Web 1.0: se iniciou na década de 1980 e marcou o início de tudo. Foi a época dos sites e páginas estáticas, as quais eram apenas usadas por empresas ou veículos jornalísticos para propagar informações. Era o primórdio de tudo! Os sites eram amontados estáticos de textos e hyperlinks, com poucas imagens e combinações de cores duvidosas. Criar uma página na internet era algo muito complicado, caro e praticamente inacessível. Era o hype da “internet discada”.

Web 2.0: começou por volta dos anos 2000, quando se iniciou um movimento de levar o usuário para dentro do mundo virtual. As pessoas deixaram de ser meras espectadoras para se tornarem produtoras de conteúdo, interagirem entre si e construir redes de contatos. Foi aqui que vivem os grandes momentos dos Anos 2000, quem aí lembra do MSN e o mIRC?! E não podemos do Orkut e do MySpace.

Web 3.0: segundo o Canal Tech, especialistas acreditam que paradigmas do passado serão rompidos graças ao excesso de informações disponíveis. Conceitos estabelecidos na Web 1.0, como a autoridade de páginas de internet e veículos da imprensa, passam a ser questionados em um nível nunca visto. É aqui que as plataformas, que eram usadas para entretenimento descompromissado, impulsionar vendas ou fortalecer a reputação digital de marcas, passam a adotar um caráter de dependência social.

Descentralização: independência de bancos, órgãos governamentais, fronteiras demográficas ou tecnologias de empresas

Privacidade: evitar a exposição de dados pessoais, incômodo com rastreamento e fuga das publicidades direcionadas

Virtualização: fortalecimento de mundos digitais e reprodução de experiências realísticas de modo virtual

Em uma reportagem do portal InfoMoney, os próximos passos da Web 3.0 são o aprimoramento da experiência do usuário, a crescente adoção de novos usuários e a ampliação da relevância de diferentes plataformas ligadas à essa realidade.

Ou seja, a gente vai ter uma melhora quando usamos a internet. As coisas serão mais ágeis do que já são, teremos uma interação ainda maior entre os usuários. É aquele famoso “boom” que vemos e ouvimos falar do metaverso. É cada vez mais buscar que nossas experiências como usuários sejam cada vez mais reais.

As conexões serão cada vez melhores e mais rápidas.